Pelo que vi em NY, durante a última edição da feira de varejo NRF, o futuro do varejo passa pelas marcas esportivas.  Muito se falou sobre Nike, Adidas e Under Armour, por exemplo.  Mas, foram as visitas técnicas que mostraram um pouco do que pode ser o futuro do varejo, pelo menos sob o ponto de vista dessas marcas.

Nike e Adidas estão apostando alto com suas novas lojas na ilha de Manhattan.  Experiência é a palavra.  Enquanto a Nike investiu em tecnologia e personalização, a Adidas se movimentou no caminho da experiência temática e eventos dentro de loja.

A nova loja da Nike no SoHo é a segunda maior loja da marca em NY.  Para entregar uma experiência única, a Nike se movimentou na direção da tecnologia e áreas de teste.  Há uma integração bem bacana da loja com o seu aplicativo.

Através do app., Os Clientes podem agendar um atendimento personalizado e saber datas de eventos na loja, por exemplo.  Na loja, é possível customizar produtos e solicitar a entrega para sua casa ou para o hotel onde esteja hospedado.

Dois espaços muito bacanas na loja são a esteira para testar os tênis antes de comprá-lo; a esteira simula uma corrida pelo central park;  e uma quadra de basquete onde você pode ter seus movimentos filmados para serem analisados depois.

Já a loja da Adidas na 5a. avenida é uma arena de futebol.  Ao invés de provadores, vestiários (como em um estádio de futebol).

Há uma arquibancada onde é possível assistir a jogos transmitidos ao vivo e espaços para customização de roupas e tênis.  Achei interessante também a loja te um espaço para venda de alimentos saudáveis.

Esse movimento das marcas esportivas é fundamental neste momento onde varejistas do setor estão passando por grandes dificuldades.  Um grande exemplo é a falência da rede Sports Authority.  Perdendo canais de venda, se torna super importante para Adidas, Nike, Under Armour e demais marcas esportivas se movimentarem para abrir suas loas e se aproximarem mais ainda dos seus Clientes.

Essas lojas querem dar a seus Clientes muito mais do que produtos, querem dar motivos para que o Cliente volte para visitá-los, mesmo quando não estiver precisando comprar nada lá.  O Cliente vai à loja porque quer e não porque precisar comprar algo.  Acho que esse é um caminho bacana para o varejo físico que além de estar digitalizado, precisa dar motivos para o Cliente ir lá.

Se a loja só tiver produtos, ele compra, vai embora e só volta quando estiver precisando de um produto.  Se, além do produto, as lojas oferecerem mais motivos através de uma experiência única, o Cliente volta mais vezes e pode até ser ins-pirado a comprar mais, falar da loja para outras pessoas etc.  Se for só produto, ele pode comprar online da próxima vez.  E aí, o que você acha?